Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

O que fazer no hospital? Mesa discute diferentes experiências

14 de novembro de 2016
Tempo de leitura: 3 minutos

Doutores da Alegria

Comentario 0
Compartilhar 0

O dia amanheceu frio e chuvoso em São Paulo, mas os grupos que vieram ao Encontro Nacional de Palhaços deixaram a preguiça de lado para refletir e trocar suas experiências.

A mesa “Diferentes práticas – O que fazer no hospital” abriu uma discussão sobre formação e estratégias para atuar junto a diferentes públicos nos hospitais. Pessoas de diversos grupos fizeram parte da plenária e compartilharam seu modo de trabalho.

15036264_10154765816072009_1487543823892538563_n

Alexandre Penha trouxe a prática do Terapia da Alegria (Curitiba, Paraná), grupo voluntário que atua em todas as alas de cinco hospitais. Atualmente o grupo está se profissionalizando e vem oferecendo formação a estudantes de áreas da saúde em todo o país. O grupo também faz visitas pontuais a hospitais psiquiátricos e hospitais com crianças com problemas de motricidade – e tem experimentado ir além destas fronteiras, já tendo atuado em regiões de consumo de drogas e em um prostíbulo.

Alexandre também levou o Terapia da Alegria ao Haiti, onde há muitas crianças órfãs; ao Vale dos Incas, no Peru, a Burkina Fasso, no deserto da África, e a áreas de refugiados sírios. “Temos experimentado o palhaço e ele realmente pode entrar em outros lugares. O trabalho do hospital pode se refletir em outros lugares”, comentou Alexandre.

A mesa seguiu com Débora Kikuti, coordenadora do curso de contadores de histórias do MadAlegria (projeto de extensão da USP). Ela falou sobre a potência que as histórias têm em nos trazer bem estar e a importância de estar preparado, de investir em um repertório, afinal são muitas visitas a pacientes, e às vezes as pessoas passam um tempo longo no hospital.

5 - 2016-11-13-PHOTO-00000017

É muito bacana quando entramos em um quarto só com o jaleco e não carregamos nada, nenhum adereço ou figurino. Eles ficam tentando entender se somos palhaços ou contadores de histórias”, contou Débora. Ela finalizou a mesa contando uma história que fez todos a aplaudirem de pé.

A experiência do palhaço com adultos foi compartilhada por Fabiana Leitão, do grupo Doutores Palhaços, de São Paulo. “Percebemos que alguns palhaços tratavam os adultos como crianças, e isso trazia uma rejeição ao trabalho”, disse ela, que é historiadora e fez um resgate da história do palhaço para os grupos. “Na Renascença, o palhaço fazia brincadeiras com conteúdo sexual ou fazia críticas ao governo da época. Era um palhaço que tinha adultos como público”, continuou.

Fabiana abordou a formação que ela traz para os integrantes do Doutores Palhaços: “Temos formação continuada e encontros mensais. As pessoas vão se formando e entendendo o palhaço durante as visitas”.

O próximo a partilhar com os grupos foi Olivier Terreault, do Teatro do Sopro (Rio de Janeiro) e do Jovia (Canadá). Ele abordou a metodologia do “empatilhaço”, empatia através do palhaço, uma técnica que utiliza há mais de 15 anos na área da saúde.

Olivier também falou sobre o arquétipo do palhaço que trabalha em suas formações. “Temos uma sombra do que queremos esconder e uma sombra do que queremos pretender. A máscara e a fantasia do palhaço revelam ou escondem o artista?”, questionou ele.

15055719_10154765815002009_3326084072551254475_n

A partir da experiência com idosos, ele trouxe dados de pesquisas que indicam que, em 50 anos, haverá mais idosos do que crianças no Brasil. Isso exigiria uma readequação do nosso sistema de saúde, desde os ambientes hospitalares até a formação dos profissionais, incluindo o palhaço. No dia 13, Olivier oferece uma oficina sobre o “empatilhaço” para os grupos participantes do Encontro Nacional.

Mauro Fantini seguiu a discussão. Ele é coordenador do Narizes de Plantão, grupo inserido no Centro Universitário São Camilo e formado por estudantes da área da saúde. Ele seguiu a discussão contando uma história por trás da visita ao hospital – uma história de fracasso, como ele chamou.

15032682_10154765815037009_4957092009621132813_n

“O hospital nos recebeu muito bem, mas houve problemas com alguns profissionais de saúde. Depois de um tempo, fomos suspensos. Isso poderia não ter acontecido se várias camadas do hospital soubessem o papel do grupo antes”, contou ele.

Mauro ressaltou a importância de alinhar expectativas com o hospital. Pode ser que o hospital queira bondade, caridade, doação, entretenimento, show; e o grupo trabalhe para levar arte, trabalhar a humanização, a relação com os estudantes da área da saúde. “É preciso sempre discutir a relação com o hospital”, finalizou.

Irene Sexer e Silvina Sznajder, do grupo argentino Alegria Intensiva, recentemente estiveram na sede do Doutores da Alegria e puderam entender a realidade do trabalho no país.

Na mesa, elas apresentaram o seu trabalho e comentaram a promulgação da lei que recentemente instituiu a presença obrigatória de palhaços atuando nas pediatrias da Argentina. A lei determina que hospitais públicos da província de Buenos Aires serão obrigados a ter artistas especializados na arte do palhaço para a reabilitação de pacientes. 

A mesa finalizou com uma intervenção surpresa de Marcia Strazzacappa, professora da Unicamp e mestre em Educação e Dança. Ela surgiu como uma faxineira que retrata a figura dos profissionais de saúde de um outro ângulo. Depois, ela sentou à mesa para responder a questões dos grupos.

Gosto muito de pensar no estado de arte, mais do que arte como uma linguagem. E nesse estado, não lugar, a gente alcança a subjetividade, e gosto de trabalhar no hospital com essa perspectiva. Não acho que a arte está a serviço de nada, acho que acontece e provoca reflexões, emoções e outros olhares”, disse ela.

15078594_10154765814607009_8816650284307128761_n



Categorias


Lá do arquivo

Deixe um comentário

avatar
  Receber notificação  
Notificação de
Existe 0 Comentário.