Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Vida longa ao SUS

21 de agosto de 2019
Tempo de leitura: 1 minutos

Gabriela Caseff

Comentario 0
Compartilhar 66

Todas as histórias que contamos neste Blog foram necessariamente vividas em hospitais públicos brasileiros. A história do Miguel no Hospital Santa Marcelina. O do pequeno besteirologista. A Kel no Hospital da Restauração. O da menina Guarani.

Nesta semana, em artigo para a Folha de S.Paulo, o médico cancerologista Drauzio Varella defendeu e homenageou a existência do sistema de saúde brasileiro, o SUS, e nos inspirou a fazer parte da celebração.

“Por incrível que pareça, poucos brasileiros sabem que o Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que ousou levar assistência médica gratuita a toda a população.”, escreveu Drauzio, ressaltando a abrangência do sistema, que atua em diversas esferas, desde o simples atendimento para avaliação da pressão arterial, por meio da Atenção Primária, até o transplante de órgãos.

“Por incrível que pareça, poucos brasileiros sabem que o Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que ousou levar assistência médica gratuita a toda a população.” Drauzio Varella

Durante os nossos mais de 25 anos juntos, enfrentamos dificuldades como a recente crise financeira do Hospital Universitário da USP, mas também vivemos alegrias, como o florescimento das políticas públicas de humanização nos anos 90. Os desafios do sistema de saúde são apontados por Drauzio e também foram explorados em um texto deste Blog.

+ leia aqui a série dos Doutores da Alegria sobre o SUS

A realidade dos hospitais públicos traz questões sociais muito latentes, que envolvem desde a estrutura familiar das crianças e a escassez de direitos básicos até as condições de trabalho dos profissionais de saúde. No Rio de Janeiro, tem sido um desafio e tanto incorporar uma programação cultural em hospitais em meio à crise instaurada na saúde pública do estado, mas conseguimos criar juntos, e de forma pioneira, um circuito hospitalar permanente de artes em hospitais públicos.

É tarefa nossa privilegiar, por meio de ações, públicos em situação de vulnerabilidade social. Acreditamos que oferecer arte do palhaço em hospitais públicos é uma possibilidade de idealizar outras maneiras de existência, de ressignificar o enfrentamento das dificuldades inerentes à doença. No ambiente hospitalar, a cultura fortalece a convivência, resgata vínculos, humaniza.

E assim, há 28 anos, vamos tecendo histórias e criando memórias inesquecíveis em hospitais. Vida longa ao SUS.



Categorias


Lá do arquivo

Deixe um comentário

avatar
  Receber notificação  
Notificação de
Existe 0 Comentário.