Search
Generic filters

Home /

O relato de uma palhaça que também é mãe

O relato de uma palhaça que também é mãe

Por

2 minutos de leitura

A noite é passada em claro, horas vão se sucedendo entre uma medicação e outra, ciclos de aerolin, retornos médicos, raio-x, exames, pulsão de veia para pegar acesso, mais aerolin, a madrugada chega, internação na UTI, espera, susto, amanhece o dia, uma hora de sono, café da manhã, fisioterapia, medicação, visita médica, visita da enfermagem, visita da nutrição, logística com filhos, uma no hospital, outro em casa, quem leva à escola, quem pode buscar, quem pode dar atenção aqui, lá, quem fica para dormir, quem sai para trabalhar…

São 9h da manhã, já viveram um mundo e ainda assim o tempo parece suspenso no ar. Almoço, banho, mais fisioterapia, pegar roupa em casa, “como é que se faz isso?”. São 15h30 e a família já nem sabe que dia é aquele, quando começou, quando vai acabar. A constatação é óbvia: aqui o tempo não passa.

Passaram-se dois dias e ela tem que deixar uma filha no hospital para ir dormir em casa com o outro filho, no dia seguinte levá-lo à escola e… seguir para trabalhar em outro hospital. Pela primeira vez, a palhaça deixa uma filha internada para atender outras crianças internadas. Segue pelo caminho sentindo o cansaço instaurado em todos os músculos de seu corpo, pensando se conseguirá fazer bem seu trabalho e sabendo que está por um fio. Na noite anterior, avisou ao seu parceiro de trabalho que talvez chorasse um pouquinho em seu ombro e ele, generoso, acolheu: “venha”.

Já trocados, palhaços, começam a trabalhar na UTI e o primeiro assunto que surge com a equipe é a filha internada. “Ela está bem, melhorando”, a palhaça conta, mas intimamente sabe que não tem calma realmente possível para o coração de uma mãe a não ser uma palavra chamada “alta”. A palhaça segue no assunto até onde consegue conter uma possível emoção. Logo entra outra enfermeira na salinha do café e, em boa hora, o assunto deriva para outra direção. Em instantes, estão dançando ao som de uma música de Ivete Sangalo, que está completando 50 anos, assim como essa colega que havia feito aniversário no dia anterior. Comemoram!

Na passagem de plantão, os palhaços são informados de um óbito que ocorrera alguns dias atrás, nos mesmos dias em que a palhaça enfrentava noites em claro com sua filha, num hospital do outro lado da cidade. A dupla de besteirologistas havia atendido a mãe dessa paciente na quinta-feira anterior, ela aflita, chorando, sua pequena estava sendo entubada. Dias depois, houve complicações e, naquela terça-feira, a menina não estava mais lá… A causa: pneumonia. A palhaça sente o corpo fraquejar, se esforça para não se perder em seu próprio medo de mãe, para não colar em si nenhuma identificação. Novamente sente o receio de não conseguir fazer seu trabalho naquele dia, “estou por um fio…”.

Mas, apesar de tudo, é possível prosseguir! Ela e seu parceiro seguem trabalhando, divertindo-se, encontrando amigos pelos corredores, fazendo suas palhaçadas e o dia segue bem. Leve.

Na pediatria em que trabalham, as plaquinhas de precaução de contato, gotículas e aerossóis multiplicaram-se, as mesmas plaquinhas que estão fixadas na porta do quarto da filha da palhaça. As infecções respiratórias estão por todos os lados. Aproximam-se do vidro de um dos quartos, veem uma mãe, seu bebê e aguardam até que sejam vistos por ela. Esperam que ela venha com ele até o vidro, pois só assim poderão atendê-los, devido às precauções. Ela os vê e traz a criança no colo, ainda distraída com algo em seu leito que chamava sua atenção. É quando chegam bem perto do vidro que o bebê, Eduardo, vê a dupla de besteirologistas. Fica com os olhos arregalados. Momento de suspensão. Será que vai chorar? Não!

Depois de alguns instantes, Eduardo começa a rir, exibindo seu simpático sorriso banguela! A cada movimento dos palhaços de aparecer e desaparecer no vidro da porta fechada, ele ri, se encanta, se surpreende e sorri de novo. Sua animação vai contagiando a todos e a dupla segue propondo o jogo. Dr. Mendonça começa a tocar seu violão e algo na variação do meu movimento, Dra. Guadalupe, faz Eduardo disparar em gargalhadas sonoras.

Na verdade, a palhaça não sabe identificar o gatilho que dispara tal reação, mas insiste no movimento que faz ele rir mais e mais… a mãe gargalha junto, os palhaços gargalham juntos e Eduardo ri… ri… ri! Como naqueles vídeos de bebês gargalhando que circulam na internet, ele dispara a mesma gargalhada: alta, gostosa, contagiante. Seu corpo se agita e ele parece não caber em si com tamanha excitação.

A dupla insiste nessa interação tanto quanto dá até irem se afastando deles, aos pouquinhos. Enquanto se despedem, de olhares conectados, a palhaça sente que poderia passar um fio de cabelo entre a sola de seus pés e o chão, pois está muito mais leve. Pensa consigo: “obrigada, Eduardo, obrigada! Você fez tudo valer a pena”.

Quando a dupla chega à Clínica Médica para realizar o atendimento na ala adulta, que ocorre naquele hospital, excepcionalmente, são gentilmente interpelados por seu Ari, acompanhante de uma das pacientes que eles vêm atendendo nos últimos dias. Ele se aproxima para dizer que talvez aquele não seja um bom dia para atendê-la, pois haviam recebido uma notícia não muito boa e teriam que permanecer mais tempo internados do que esperavam. Ari temia não serem bem recebidos. Os palhaços entendem perfeitamente sua solicitação e, antes dele ir embora, Dra. Guadalupe toca em seu ombro e pergunta: “E você? Como você está?”

É como acionar um botão proibido e a emoção surge instantaneamente em seu olhar. “Ah, não me faça essa pergunta, senão vou desaguar”, ele diz, titubeando entre ir ou ficar. A dupla o acolhe dizendo que ele pode falar se quiser, que pode desaguar com eles. De novo em seu íntimo, a palhaça lembra do que disse Dr. Mendonça no dia anterior: “venha, aqui você pode chorar”. E até pensa em contar o quanto se identifica com ele, sentindo retumbar em si mesma sentimentos iguais aos seus. Ari titubeia mais uma vez, mas fica firme e segue seu caminho. A palhaça faz igual.

No dia seguinte ela, agora como mãe, está de volta ao hospital onde sua filha está internada e espera receber alta naquele dia. Mas, pela manhã, recebe a notícia de que não será possível voltar para casa, que vão ficar ainda mais tempo no hospital. Mais do que gostariam. Lembra do seu Ari, dos seus olhos marejados, do desejo de ir embora sem poder sair, de tentar manter-se firme, mesmo querendo desaguar. Ela sente igual. Horas depois, sua filha faz um monte de palhaçadas e ela se percebe rindo da pequena. Lembra do bebê Eduardo e agradece em silêncio pelas crianças que fazem a palhaça sorrir.

No fim do dia, cansada, triste, irritada, sente brotarem as primeiras frases deste relatório e desagua em palavras seus sentimentos ambíguos como mãe-palhaça ao lado da filha que desenha, tranquila:

“O coração fica espremido,

O corpo vira um bagaço,

E a gente se entrega para vida

Sabendo que a dona

Não se doma no laço”

No dia seguinte, estão de volta ao conforto do lar, o mundo gira novamente sobre seu eixo, mas nada mais está no mesmo lugar.

Tereza e Dora

 

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

VocÊ também pode gostar

0
Would love your thoughts, please comment.x

Politica de privacidade

LEI GERAL DE PROTEÇÃO DE DADOS – LGPD

Considerando que:

I – DOUTORES DA ALEGRIA é uma associação civil sem fins lucrativos, e tem como propósito “intervir na sociedade propondo a arte como ‘mínimo social’ para crianças, adolescentes e outros públicos em situação de vulnerabilidade e risco social, privilegiando hospitais públicos e ambientes adversos, tendo a linguagem do palhaço como referência. A partir desta intervenção, ampliar canais de diálogos reflexivos com a sociedade, compartilhando o conhecimento produzido através de formação, pesquisa, publicações e manifestações artísticas, contribuindo para a promoção da
cultura e da saúde e inspirando políticas públicas universais e democráticas para o desenvolvimento social sustentável”


II –
Esta política de privacidade, foi elaborada nos termos da Lei no 13.709, de 14 de agosto de 2018 e tem por objetivo a proteção dos dados pessoais que são coletados e gerados quando você se relaciona de alguma forma com a associação DOUTORES DA ALEGRIA. Além disso, explica como seus dados pessoais são usados, compartilhados e protegidos, quais opções você tem em relação aos seus dados
pessoais e como você pode nos contatar.

1. A quem se aplica?

Se você está lendo este documento, esta política se aplica a você. As orientações
mencionadas se aplicam aos dados coletados de parceiros, doadores, alunos,
prestadores de serviços, associados, fornecedores, sócios da alegria, público em
geral, diretores, conselheiros, consultores, empregados da associação DOUTORES
DA ALEGRIA.

2. Definições e termos:

Alguns termos que irão ajudar você a entender todas as orientações desta política:

Tipos de dados:

Dado pessoal: informação relacionada a pessoa natural identificada ou identificável;

Dado pessoal sensível: dado pessoal sobre origem racial ou étnica, convicção
religiosa, opinião política, filiação a sindicato ou a organização de caráter religioso,
filosófico ou político, dado referente à saúde ou à vida sexual, dado genético ou
biométrico, quando vinculado a uma pessoa natural;

Dado anonimizado: dado relativo a titular que não possa ser identificado,
considerando a utilização de meios técnicos razoáveis e disponíveis na ocasião de
seu tratamento;

Banco de dados: conjunto estruturado de dados pessoais, estabelecido em um ou
em vários locais, em suporte eletrônico ou físico;

Titular: pessoa natural a quem se referem os dados pessoais que são objeto de
tratamento;

Uso dos dados

Acesso: Ato de ingressar, transitar, conhecer ou consultar a informação, bem como possibilidade de usar os ativos de informação de um órgão ou entidade, observada eventual restrição que se aplique;

Armazenamento: Ação ou resultado de manter ou conservar em repositório um dado;

Arquivamento: Ato ou efeito de manter registrado um dado embora já tenha perdido a validade ou esgotado a sua vigência;

Avaliação: Analisar o dado com o objetivo de produzir informação;

Coleta: Recolhimento de dados com finalidade específica;

Controle: Ação ou poder de regular, determinar ou monitorar as ações sobre o dado;

Difusão: Ato ou efeito de divulgação, propagação, multiplicação dos dados;

Distribuição: Ato ou efeito de dispor de dados de acordo com algum critério estabelecido;

Eliminação: Ato ou efeito de excluir ou destruir dado do repositório;

Extração: Ato de copiar ou retirar dados do repositório em que se encontrava;

Processamento: Ato ou efeito de processar dados visando organizá-los para
obtenção de um resultado determinado;

Produção: Criação de bens e de serviços a partir do tratamento de dados;

Recepção: Ato de receber os dados ao final da transmissão;

Reprodução: Cópia de dado preexistente obtido por meio de qualquer processo;

Transferência: Mudança de dados de uma área de armazenamento para outra, ou
para terceiro;

Transmissão: Movimentação de dados entre dois pontos por meio de dispositivos
elétricos, eletrônicos, telegráficos, telefônicos, radioelétricos, pneumáticos, etc.;

Utilização: Ato ou efeito do aproveitamento dos dados.

3. Princípios Gerais sobre o tratamento de dados pessoais adotados pela associação DOUTORES DA ALEGRIA:

•  Os titulares de dados pessoais sempre serão informados sobre quais dados
serão coletados e sua finalidade;
•  Os dados pessoais serão utilizados somente mediante autorização formal
de seus titulares;
•  Somente serão solicitados os dados pessoais de principal relevância para
o projeto previamente estabelecido e limitados a ele;
•  Os dados pessoais serão mantidos corretos e atualizados pelo período
necessário de acordo com sua finalidade;
•  O banco de dados pessoais será mantido em local protegido e seguindo os
mais rigorosos protocolos de segurança;
•  A identidade dos titulares de dados será preservada, principalmente
tratando-se de dados sensíveis;
•  Os titulares de dados pessoais podem a qualquer momento solicitar a
correção, atualização ou exclusão de seus dados da nossa base.

4. Quem é o responsável pelo tratamento de seus dados?

A associação DOUTORES DA ALEGRIA é a responsável legal pelo armazenamento
e eventual tratamento, bem como pela segurança de todos os dados coletados.

Mesmo em projetos e ações que sejam viabilizados em cooperação ou parceria com outras organizações e empresas, nos quais a responsabilidade pode ser dividida, os princípios gerais desta política são mantidos.

5. Quais dados coletamos e por quais motivos?

Coletamos, processamos e arquivamos as seguintes categorias de Dados Pessoais
sobre você:

6. Como armazenamos e quem tem acesso aos seus dados? Armazenamento

Seus dados pessoais (incluindo dados sensíveis) são armazenados seguindo
as medidas de segurança apropriadas para impedir que suas informações sejam
acessadas ou processadas para fins que não estejam de acordo com nossas práticas de inclusão e diversidade.

Acesso
Os bancos de dados utilizados para armazenamento possuem acesso restrito aos nossas trabalhadores e empregados e /ou parceiros que tenham um motivo legítimo e justificável para acesso e/ou tratamento de seus dados pessoais.

7. Por quanto tempo mantemos seus dados pessoais?

Suas informações pessoais serão mantidas pelo tempo que for necessário para
cumprir as finalidades estabelecidas nesta política de privacidade (a menos que um período de conservação mais longo seja exigido pela lei aplicável).

8. Quais são seus direitos em relação aos dados pessoais?

Quando necessário você receberá um documento de consentimento da associação DOUTORES DA ALEGRIA, se estiver de acordo, deve assinar ou autorizar virtualmente.
Além disso, você tem os seguintes direitos em relação aos seus dados pessoais:

9. Aperfeiçoamento da Política de Provacidade

A associação Doutores da Alegria compromete-se a periodicamente revisar e
aperfeiçoar a presente política, além de dar ampla visibilidade a este documento,
mediante a publicação do mesmo no site da organização.

10.Base legal utilizada

Esta Política de Privacidade foi baseada na Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, Lei no 13.709/2018 e orientações do Guia de Boas Práticas da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais realizado pelo Governo Federal.

11.Outras Informações

Dúvidas a respeito da aplicação desta Política e da adequação de qualquer conduta relativa a dados pessoais deverão ser enviadas para o e-mail
doutores@doutoresdaalegria.org.br

Conheça mais sobre o palhaço

Local de atuação

Biografia

Conheça mais sobre o palhaço

O relato de uma palhaça que também é mãe

Local de atuação

São Paulo

Biografia