Search
Generic filters

Home /

Jessé, o teto branco e seu bigode ralo de criança

Jessé, o teto branco e seu bigode ralo de criança

Por

2 minutos de leitura

A primeira vez em que eu vi Jessé, ele estava deitado na cama. O corpo tinha dificuldades para executar movimentos: o garoto não falava, suas mãos e suas pernas se moviam com muita lentidão e seu olhar fixo no teto branco da enfermaria.

Por alguns segundos, pensei: “Será que está me ouvindo? Será que me vê?”. Jessé, segundo o Google, significa “enviado de Deus, presente de Deus”. Aos 12 anos, ele já mostra um bigode ralo. Quando eu tinha 12 anos, morria de medo que nascesse bigode e cabelo no sovaco. Achava que ia ficar adulto e ser proibido de brincar na rua. Depois pensei que, se eu fosse uma criança com bigode, poderia mandar nas brincadeiras, ser o chefe, “o dono da bola”.

Era assim que funcionava com Jessé: ele comandava o jogo, a brincadeira, o encontro com os palhaços.

Sua mãe e seu pai estavam sempre ao seu lado, sorridentes, brincalhões e prontos para a brincadeira. Eles tratavam Jessé como o melhor presente enviado por Deus: era cafuné pra lá, alisado pra cá, cheirinho na testa aqui, sempre sorridentes.

Dia desses eu estava acompanhado de Dra. Musquita e Dr. Lui dentro da enfermaria de Jessé. O foco ainda não era ele, não havíamos chegado ao seu leito. Fiquei um pouco distraído e olhei em direção à cama da criança. O pensamento divagou: “Quando eu tinha 12 anos, sonhava em ser galã de novela, fazer teatro, ter poderes especiais. Já tinha reprovado em matemática e criava um coelho”.

Jessé estava com o seu olhar fixo no teto branco. Quais suas possibilidades?

Um lápis para uma criança pode virar avião; uma borracha se transforma em carro imaginário; uma panela, chapéu. E um teto branco? Certa vez ouvi dizer que, quando a gente nasce, nossa mente é como uma parede branca, limpa, vazia, pura. Com o tempo é que crescemos e vamos preenchendo esse branco com cores, gostos, experiências. Um teto branco é um mar de possibilidades, inclusive de colorir o branco com vários sorrisos.

 

Quando chegamos ao leito, encontramos seu pai e sua mãe, para variar, com sorrisos estampados nos rostos. Ele continuava ali, parado, deitado na cama, com uma faixa na cabeça. Eu disse que tinha preparado uma música e gostaria muito de cantar.

Eu e Dra. Musquita pegamos nossos chocalhos em formato de ovo e Dr. Lui aprumou o triângulo. Cantei um minuto de música com uma só palavra: “Pipiripiripipi…”. A música não saía disso.

– Ô Marmelo, só tem isso? Que música feia!, disseram os palhaços.

Jessé abriu um sorriso. Em seguida, perguntamos a ele se éramos bonitos, um por vez. Ele disse que sim com o polegar pra cima pra Musquita e pra mim; mas, na vez de Lui, botou o legal pra baixo, dizendo que não. Todos rimos de Lui, inclusive o Jessé.

A prosa foi boa, enquanto o paciente era acarinhado com cheiro e cafuné da mãe e do pai. Fiquei impressionado, mesmo sabendo que o quadro clínico dele era grave e delicado: a criança de bigode ralo estava respondendo da sua forma. E, lógico, acreditávamos em tudo que ele “falava”, pois já tinha bigode. Eu e meus parceiros de trabalho comentávamos como era lindo ver o carinho que os pais lançavam à criança, sempre confiantes, alegres, felizes e receptivos.

Semana passada, vimos o leito de Jessé vazio. Era uma cama perto da janela, o teto continuava branco e seus pais não estavam lá. Também não estavam mais a garrafa de água, as mochilas, as roupas, o forro de cama. Vazio.

Continuamos nossos atendimentos besteirológicos. Para nossa surpresa, pouco tempo depois, entra na enfermaria uma criança numa cadeira de rodas, controlando a cadeira com as próprias mãos. Bigode ralo, camisa de botão, calça jeans e uma faixa na cabeça. Veio determinada ao nosso encontro, como se fosse um presente!

– Oi, palhaços!
– Jessé?, perguntou Dr. Lui todo arrepiado.

A voz da criança era voz de criança. E, igual a um super-herói, o paciente mirim quis mostrar seu superpoder. Olhou pra gente e se levantou. Jessé estava andando, falando… Vibramos, pulamos, nos abraçamos! Jessé, a criança do bigode ralo!

Ele logo perguntou pela Musquita e falamos que estava avoando pelo mundo afora. Jessé contou que recebeu alta. “Como assim?”. Explicamos que quem tinha permissão para dar alta era a gente e que precisávamos averiguar se ele estava passando bem. Pedimos pra ele passar, andando de um ponto ao outro, voltar pra o ponto inicial e, depois, passar rebolando no ritmo da música.

Ele fez tudo direitinho. Concluímos então que estava “passando bem”, afinal de contas, passou de um lado pro outro com grande maestria.

– Você quer que a gente cante uma música pra você?, perguntei.
– Sim.
– Qual, Jessé?
– A do “pipiripiripipi”, palhaços!

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

VocÊ também pode gostar

0
Would love your thoughts, please comment.x

Politica de privacidade

LEI GERAL DE PROTEÇÃO DE DADOS – LGPD

Considerando que:

I – DOUTORES DA ALEGRIA é uma associação civil sem fins lucrativos, e tem como propósito “intervir na sociedade propondo a arte como ‘mínimo social’ para crianças, adolescentes e outros públicos em situação de vulnerabilidade e risco social, privilegiando hospitais públicos e ambientes adversos, tendo a linguagem do palhaço como referência. A partir desta intervenção, ampliar canais de diálogos reflexivos com a sociedade, compartilhando o conhecimento produzido através de formação, pesquisa, publicações e manifestações artísticas, contribuindo para a promoção da
cultura e da saúde e inspirando políticas públicas universais e democráticas para o desenvolvimento social sustentável”


II –
Esta política de privacidade, foi elaborada nos termos da Lei no 13.709, de 14 de agosto de 2018 e tem por objetivo a proteção dos dados pessoais que são coletados e gerados quando você se relaciona de alguma forma com a associação DOUTORES DA ALEGRIA. Além disso, explica como seus dados pessoais são usados, compartilhados e protegidos, quais opções você tem em relação aos seus dados
pessoais e como você pode nos contatar.

1. A quem se aplica?

Se você está lendo este documento, esta política se aplica a você. As orientações
mencionadas se aplicam aos dados coletados de parceiros, doadores, alunos,
prestadores de serviços, associados, fornecedores, sócios da alegria, público em
geral, diretores, conselheiros, consultores, empregados da associação DOUTORES
DA ALEGRIA.

2. Definições e termos:

Alguns termos que irão ajudar você a entender todas as orientações desta política:

Tipos de dados:

Dado pessoal: informação relacionada a pessoa natural identificada ou identificável;

Dado pessoal sensível: dado pessoal sobre origem racial ou étnica, convicção
religiosa, opinião política, filiação a sindicato ou a organização de caráter religioso,
filosófico ou político, dado referente à saúde ou à vida sexual, dado genético ou
biométrico, quando vinculado a uma pessoa natural;

Dado anonimizado: dado relativo a titular que não possa ser identificado,
considerando a utilização de meios técnicos razoáveis e disponíveis na ocasião de
seu tratamento;

Banco de dados: conjunto estruturado de dados pessoais, estabelecido em um ou
em vários locais, em suporte eletrônico ou físico;

Titular: pessoa natural a quem se referem os dados pessoais que são objeto de
tratamento;

Uso dos dados

Acesso: Ato de ingressar, transitar, conhecer ou consultar a informação, bem como possibilidade de usar os ativos de informação de um órgão ou entidade, observada eventual restrição que se aplique;

Armazenamento: Ação ou resultado de manter ou conservar em repositório um dado;

Arquivamento: Ato ou efeito de manter registrado um dado embora já tenha perdido a validade ou esgotado a sua vigência;

Avaliação: Analisar o dado com o objetivo de produzir informação;

Coleta: Recolhimento de dados com finalidade específica;

Controle: Ação ou poder de regular, determinar ou monitorar as ações sobre o dado;

Difusão: Ato ou efeito de divulgação, propagação, multiplicação dos dados;

Distribuição: Ato ou efeito de dispor de dados de acordo com algum critério estabelecido;

Eliminação: Ato ou efeito de excluir ou destruir dado do repositório;

Extração: Ato de copiar ou retirar dados do repositório em que se encontrava;

Processamento: Ato ou efeito de processar dados visando organizá-los para
obtenção de um resultado determinado;

Produção: Criação de bens e de serviços a partir do tratamento de dados;

Recepção: Ato de receber os dados ao final da transmissão;

Reprodução: Cópia de dado preexistente obtido por meio de qualquer processo;

Transferência: Mudança de dados de uma área de armazenamento para outra, ou
para terceiro;

Transmissão: Movimentação de dados entre dois pontos por meio de dispositivos
elétricos, eletrônicos, telegráficos, telefônicos, radioelétricos, pneumáticos, etc.;

Utilização: Ato ou efeito do aproveitamento dos dados.

3. Princípios Gerais sobre o tratamento de dados pessoais adotados pela associação DOUTORES DA ALEGRIA:

•  Os titulares de dados pessoais sempre serão informados sobre quais dados
serão coletados e sua finalidade;
•  Os dados pessoais serão utilizados somente mediante autorização formal
de seus titulares;
•  Somente serão solicitados os dados pessoais de principal relevância para
o projeto previamente estabelecido e limitados a ele;
•  Os dados pessoais serão mantidos corretos e atualizados pelo período
necessário de acordo com sua finalidade;
•  O banco de dados pessoais será mantido em local protegido e seguindo os
mais rigorosos protocolos de segurança;
•  A identidade dos titulares de dados será preservada, principalmente
tratando-se de dados sensíveis;
•  Os titulares de dados pessoais podem a qualquer momento solicitar a
correção, atualização ou exclusão de seus dados da nossa base.

4. Quem é o responsável pelo tratamento de seus dados?

A associação DOUTORES DA ALEGRIA é a responsável legal pelo armazenamento
e eventual tratamento, bem como pela segurança de todos os dados coletados.

Mesmo em projetos e ações que sejam viabilizados em cooperação ou parceria com outras organizações e empresas, nos quais a responsabilidade pode ser dividida, os princípios gerais desta política são mantidos.

5. Quais dados coletamos e por quais motivos?

Coletamos, processamos e arquivamos as seguintes categorias de Dados Pessoais
sobre você:

6. Como armazenamos e quem tem acesso aos seus dados? Armazenamento

Seus dados pessoais (incluindo dados sensíveis) são armazenados seguindo
as medidas de segurança apropriadas para impedir que suas informações sejam
acessadas ou processadas para fins que não estejam de acordo com nossas práticas de inclusão e diversidade.

Acesso
Os bancos de dados utilizados para armazenamento possuem acesso restrito aos nossas trabalhadores e empregados e /ou parceiros que tenham um motivo legítimo e justificável para acesso e/ou tratamento de seus dados pessoais.

7. Por quanto tempo mantemos seus dados pessoais?

Suas informações pessoais serão mantidas pelo tempo que for necessário para
cumprir as finalidades estabelecidas nesta política de privacidade (a menos que um período de conservação mais longo seja exigido pela lei aplicável).

8. Quais são seus direitos em relação aos dados pessoais?

Quando necessário você receberá um documento de consentimento da associação DOUTORES DA ALEGRIA, se estiver de acordo, deve assinar ou autorizar virtualmente.
Além disso, você tem os seguintes direitos em relação aos seus dados pessoais:

9. Aperfeiçoamento da Política de Provacidade

A associação Doutores da Alegria compromete-se a periodicamente revisar e
aperfeiçoar a presente política, além de dar ampla visibilidade a este documento,
mediante a publicação do mesmo no site da organização.

10.Base legal utilizada

Esta Política de Privacidade foi baseada na Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, Lei no 13.709/2018 e orientações do Guia de Boas Práticas da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais realizado pelo Governo Federal.

11.Outras Informações

Dúvidas a respeito da aplicação desta Política e da adequação de qualquer conduta relativa a dados pessoais deverão ser enviadas para o e-mail
doutores@doutoresdaalegria.org.br

Conheça mais sobre o palhaço

Local de atuação

Biografia

Conheça mais sobre o palhaço

Jessé, o teto branco e seu bigode ralo de criança

Local de atuação

São Paulo

Biografia