Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

O relato de um dia nada alegre no hospital

12 de Abril de 2019
Tempo de leitura: 2 minutos

Doutores da Alegria

Comentario 5
Compartilhar 0

Começamos o dia de trabalho pela UTI. Passamos a porta e já na antessala encontramos todas as mães e um pai com caras preocupadas. Lá dentro estava tendo uma intercorrência, que é um nome genérico para um problema. Se nem os pais estavam autorizados a entrar, imagina os palhaços.

Demos meia volta e fomos para a ala B, onde encontramos uma menina, de uns oito ou nove anos, aparentemente sem sintomas.

Quero ir embora!, ela repetia sem parar.

– Já estamos de alta, só falta o médico autorizar! Ela está ansiosa!, nos contou a mãe.

Voltamos à UTI e os pais já tinham entrado. Mal abrimos a porta e sai uma maca com um paciente que ia fazer um exame. Recebemos a notícia de que a Bruna* estava muito ruim. A menina está há muito tempo na UTI, na cama ao lado de Jonas. Na visita passada, Jonas tinha nos presenteado com um sorriso contagiante de orelha a orelha, e hoje estava desacordado com a máscara de oxigênio escondendo metade de seu rosto.

O lugar estava tenso e sentimos o peso do ambiente. Saímos baqueadas.

Fomos para a Oncologia. Perguntamos no balcão da Enfermagem se estava tudo bem e ficamos sabendo que um paciente querido teria que amputar a perna. Ele já tem mais de 20 anos e estava conformado pois ia conseguir andar. Hoje em dia as próteses são muito eficientes e o médico contou que ele poderia até jogar futebol, mas a prótese depende da extensão do tumor, e isso só será descoberto quando ele operar.

Ali mesmo, ficamos sabendo que a menina da ala B é da Oncologia, vai ter alta e começar a radioterapia para tratar um câncer. A médica desabafou que estava sendo um dia tão difícil que ainda não tinha conseguido sair dali para dar a alta para ela.

Ainda conversando com a médica, a porta de um dos quartos se abriu e veio uma enfermeira de máscara e luvas, muito nervosa, em nossa direção. Não estava conseguindo passar o acesso no Felipe. O menino tinha gritado quando ela tocou em seu braço para ver se era possível fazer o procedimento.

– Sem condições, não dá para fazer. Vocês decidem se ele fica sem acesso ou se vai para a Central.

– O que é ir para a Central?, perguntamos. E descobrimos que ele teria que tomar anestesia para passar o acesso pois estava ultra nervoso.

Entramos com o maior cuidado no quarto de Felipe, que chorava, acompanhado de uma moça bem jovem. Felipe e sua mãe são de Cuiabá. Demoramos para perceber o tumor na perna do menino, que era realmente muito grande.

A mãe contou que foi para o hospital em dezembro do ano passado pois ele estava com dor e tinha um carocinho que, na época, era do tamanho de uma bola de gude. A demora de quatro meses fez com que o tumor crescesse e, agora, parece que já não tem mais o que fazer. Felipe completou a história:

– Agora está doendo aqui também! – e mostrou o canto da bacia.

Nós apenas ouvíamos e intervíamos na medida do possível. Aos poucos Felipe se acalmou e dormiu. Nos despedimos e saímos arrasadas. Quase indo embora, no corredor, uma funcionária do hospital pediu uma música. Fomos quebrando o gelo e o nosso vazio também. Algumas piadas, risos e seguimos. No corredor seguinte, encontramos a menina da ala B.

– Mãe, eu quero ir para casa!

A médica ainda não tinha conseguido passar.

Vera Abbud, mais conhecida como Dra. Emily, escreve do Hospital Santa Marcelina, em São Paulo.

 

* os nomes das crianças foram substituídos para preservar sua identidade



Categorias


Lá do arquivo

5
Deixe um comentário

avatar
5 Comentar tópicos
0 Respostas do Tópico
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais quente
5 Autores de comentários
MarcelleRosangela NevesAraceli MartinsIsabelJaninne Autores recentes de comentários
  Receber notificação  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Notificação de
Janinne
Visitante
Janinne
Visitante

Só nos sabemos o quanto é difícil trabalhar numa UTI. Mais temos um propósito maior e Deus nos da força para continuar a ajudar quem mais precisa, mesmo quando temos um dia difícil.

Isabel
Visitante
Isabel
Visitante

Tem dias que é assim mesmo 🙁
Ainda bem que existem vcs circulando para lembrar que a vida no hospital pode assumir uma forma mais alegre!

Araceli Martins
Visitante
Araceli Martins
Visitante

Vera Abbud querida, vc não deve lembrar mais de mim. Fui sua professora no Santa. E me comovo com sua fidelidade aos Doutores da Alegria. Continue, por favor. Força e coragem sempre.

Rosangela Neves
Visitante
Rosangela Neves
Visitante

Obrigada por compartilhar Vera .
No hospital tem dias de pura alegria e adrenalina e outros muito difíceis.

A gente se imponente mas também aprende com essas experiências.

Marcelle
Visitante
Marcelle
Visitante

Acho que o sonho de fazer algo assim é comum a muitas pessoas, mas conseguir fazer é outra história! Eu acho que choraria uma semana depois de um dia desses. Acredito que os palhaços também chorem, mas parecer firme e segurar a onda de tristeza é algo inimaginável pra mim. Por isso eu não acredito que conseguiria. É tão fantástico esse trabalho que só sendo muito especial pra fazê-lo.

Existem 5 Comentários.