Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

O condomínio-hospital

25 de novembro de 2019
Tempo de leitura: 1 minutos

Ana Flávia

Comentario 2
Compartilhar 46

De fora, a gente olha o Hospital da Restauração e pensa na sua grandiosidade, que não passa despercebida pelos transeuntes da Avenida Governador Agamenon Magalhães, em Recife. De dentro, a gente se perde no monte de corredores, salas, enfermarias e consultórios deste enorme edifício.

Ala norte é sentido Olinda, ala sul é sentido Boa Viagem. Quando comecei a trabalhar lá como palhaça, eu tentava me localizar com um mapa imaginário.

Todo mundo conhece alguém que já passou uma temporada no famoso HR. Observando e frequentando a Pediatria, aquele andar inteirinho cheio de crianças, percebi que há tantas famílias ali, às vezes momentaneamente, às vezes por tanto tempo, que se movimentam como se estivessem em suas casas.

É como se fosse um condomínio. O condomínio-hospital. Cada enfermaria é um prédio e cada leito uma casa. Algumas pessoas tiram a sorte grande de ter um “apartamento” com vista para o mar, como chamamos carinhosamente o canal da Agamenon.

A vizinhança se mostra bem solidária. Não tem troca de xícaras de açúcar, mas tem muita doçura ao olhar a cria da outra enquanto uma toma banho ou corre para as refeições. Ah, também deve ter briga de condomínio… e gente que ronca a noite toda ou acende a luz na hora errada. Os profissionais atuam como síndicos que recebem toda a sorte de reclamações para administrar!

No condomínio HR Residence, como o apelidei, conheci Regis. O menino já habitava um apê de um dos prédios do norte. Morador antigo, anfitrião com sorriso no rosto, como se quisesse nos dizer sempre: “Que bom que vocês chegaram. Entrem. Aceitam um café?”.

O meu parceiro Dr. Lui já demonstrava intimidade com a família e as portas abertas de Regis. Tinha até uma música exclusiva para o menino, que se divertia com a composição do besteirologista. Era como se a gente tivesse tocando a campainha, sabe?

Nunca, nunquinha encontramos Regis triste. Mas teve um dia que não o encontramos no condomínio.

Como assim? Cadê Regis? Soubemos, através da vizinhança, que Regis foi morar em outro prédio, outra cidade. Foi embora sem deixar o novo endereço. Só deixou mesmo suas marcas, não dá pra chegar sem lembrar daquele morador feliz.

Não deu tempo desejar as boas idas pra Regis, mas queremos muito que ele possa encontrar refúgio, abrigo, amor, proteção, alimento e descanso aonde quer que vá. E que o leito que o receber seja sempre um lar doce lar.



Categorias


Lá do arquivo

2
Deixe um comentário

avatar
2 Comentar tópicos
0 Respostas do Tópico
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais quente
2 Autores de comentários
Giselle LimaLuiza Autores recentes de comentários
  Receber notificação  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Notificação de
Luiza
Visitante
Luiza
Visitante

Trabalho lindo ,que Deus possa recompensa todos vc com bençãos do céu.

Giselle Lima
Visitante
Giselle Lima
Visitante

Como não se comover com tamanho e lindo trabalho de vocês. Passando pelo Instagram e me deparei com a história de Regis. Impacta, mas não compreendemos porque teve que ser assim. Mas ao mesmo tempo é especial saber que dentro do pequeno Regis existe essa alegria e amor que o fizeram lembrar dele.
Parabéns doutores da alegria.

Existem 2 Comentários.