fbpx

Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Opinião

Falar de flores, de poesia e de amor é um ato de resistência

4 de maio de 2021
Tempo de leitura: 1 minutos

Marcio Douglas

Ator e diretor. Atua como Dr. Mané Pereira na Doutores da Alegria, em São Paulo, desde 2004.

Comentario 0
Compartilhar 26

Há pouco mais de um ano entrávamos no hospital pela última vez antes do primeiro dos muitos isolamentos que viveríamos e não imaginávamos que seria tão longo, tão triste e tão duro. Mas não vou falar sobre as perdas que vivemos ou sobre o descaso que sofremos. Vou falar do que aprendi e tenho aprendido. Vou falar de flores.

Precisamos falar sobre flores, sobre como florir nosso coração. E não pense que estou me cegando a tudo que acontece ou que estou mudando para um assunto mais agradável. Nada disso.

Falar de flores, de poesia e de amor é um ato de resistência em tempos tão sombrios, tempos em que brutalidade e ignorância ganham mais espaço que gentileza e conhecimento.
E nos manter otimistas exige de nós um trabalho muito grande. Por isso, tento plantar flores diariamente.

Não assistir ao noticiário por um dia para ver uma criança que aprende a falar é uma flor que nasce no meu dia.

Desconectar das fake news dos grupos familiares do WhatsApp para arrumar minhas gavetas é outra flor que nasce no meu dia.
Aprender um instrumento, uma língua, ler um livro, ouvir uma música ou caminhar, mesmo dentro de casa, são flores nascendo.

E ao final do dia, quantas flores nasceram? Boa colheita para todos nós.



Categorias


Lá do arquivo

Marcio Douglas

Ator e diretor. Atua como Dr. Mané Pereira na Doutores da Alegria, em São Paulo, desde 2004.


Postado em:

Quarentena

Tags

aprendizado, COVID-19, fake news, isolamento, pandemia, quarentena, vamos falar de flores

Deixe um comentário

avatar
  Receber notificação  
Notificação de
Existe 0 Comentário.