Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Como é a vida de um besteirologista em quarentena

15 de julho de 2020
Tempo de leitura: 1 minutos

Anderson Machado

Comentario 0
Compartilhar 0

Vou contar um pouco de como está sendo a vida de um besteirologista durante a pandemia. No começo fiquei meio sem chão por não poder realizar as visitas no hospital temporariamente. Justo nesse momento em que os profissionais e pacientes mais precisam, ficar sem ir ao seu encontro me gerou um sentimento de impotência diante do caos.

É necessário ficar em casa e, assim, passamos dias pensando possíveis alternativas e como viabilizar novas ações artísticas. Toda equipe da associação Doutores da Alegria unida em reuniões online, trocando áudios, e-mails, sinais de fumaça. Até que chegamos a uma conclusão: “Vamos usar as redes sociais para compartilhar vídeos durante a pandemia!”.

Hora de se reinventar

Eu comecei a trabalhar como palhaço em praças e parques. Tempos depois reduzi o formato para me adaptar a pequenos teatros. Depois reduzi mais um pouco para atuar no hospital e, agora, reduzi a ponto de caber em uma tela de celular.

Uma tarefa desafiadora, porém, instigante por saber que quem estará assistindo do outro lado da tela pode ser uma criança que está internada, um profissional de saúde sobrecarregado ou até mesmo minha mãe que, como todos, às vezes passa por dias tristes em seu distanciamento social.

É claro que uma imagem através da tela nunca vai substituir a presença real. É no real que olhamos nos olhos, brincamos juntos, improvisamos e rimos tanto que às vezes até acordamos alguém que estava cochilando depois do almoço. Enquanto não tivermos outra ideia de como “entrar no hospital sem entrar”, vamos fazendo assim e esperando a pandemia passar.

O próximo roteiro

Acordo e durmo pensando no roteiro da próxima filmagem. Estou gostando de estudar tutoriais de edição de vídeos. Como iluminar os ambientes de gravação? Como escrever um roteiro de cinema? Também fico assistindo filmes de Chaplin, Lucy, Chaves e tantos outros que me inspiram.

Estou cuidando bem de cada vídeo para que, quando vocês assistirem, pelo menos um sorriso possa pousar em suas bocas. Para que se sintam abraçados à distância.

Pensar nesse cuidado também me inspira a me cuidar, a cuidar das pessoas, e isto tem me feito bem. Apesar do triste panorama mundial, me deixa feliz ver toda a equipe da Doutores da Alegria cuidando com carinho do novo projeto e dando um passo a mais na sua relação com a sociedade.

Porque agora podemos “entrar sem entrar” em muito mais lugares, a um clique e a uma tela de distância de vocês.



Categorias


Lá do arquivo

Deixe um comentário

avatar
  Receber notificação  
Notificação de
Existe 0 Comentário.