Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Os dois lados da mesma esquina

22 de julho de 2015
Tempo de leitura: 2 minutos

Nereu Afonso

Comentario 82
Compartilhar 32

Lado 1.

Estávamos Dra. Greta Garboreta e eu, Dr. Zequim Bonito, prestes a encerrar nossa rotina de trabalho no Hospital do Grajaú, em São Paulo. Estávamos virando a esquina do último corredor que nos levaria de volta à salinha onde nos desfazemos de nossas personalidades de palhaço para voltarmos a ser gente normal, se é que gente normal existe.

Antes de virar a esquina do último corredor, as moças da recepção pediram uma foto.

Clique, clique, flash e lá estávamos nós registrados em mais um celular. Ou então em uma página de Facebook, onde seremos uma foto compartilhada, curtida, comentada, criticada, ridicularizada, insultada, venerada, ou simplesmente ignorada. E assim a vida segue seu fluxo.

Lado 2.

Depois da foto estávamos, agora sim, prestes a encerrar nossa rotina de trabalho.

– Palhacinho! Palhacinho!, ouvimos de longe.

Vimos logo de cara que a solicitação era de outro teor. Teria sido tão melhor se fosse apenas mais uma foto. Mas não era. A mulher que nos chamava estava aos prantos, saindo desnorteada do elevador, acompanhada por familiares. Todos visivelmente muito abatidos.

Começava ali um daqueles momentos que nos pegam de calça curta. Não era a primeira vez que acontecia. Já vivemos situações parecidas em outros hospitais, com outros familiares, com outros palhaços e, com mais ou menos traquejo, a cada vez que tal situação aconteceu tivemos que lidar com o vazio que invariavelmente ela nos impõe. O indizível vazio que a finitude nos reserva.

– Palhacinho, o meu neto morreu! 

Houve um silêncio.

– Palhacinho, o meu neto morreu! O meu neto. Vocês conheceram ele, lembra? 

Nós já sabíamos da notícia. Tínhamos estado na UTI no começo do trabalho, antes da chegada dos pais e acompanhantes. Naquela hora, só estavam presentes na UTI os profissionais da equipe de saúde cujos semblantes também estampavam as sequelas do vazio.

dois lados

O caso do menino era grave. O nome complicado da doença, sua complexidade e agravantes não tinham a menor importância naquele momento. Para aquela avó, ali, agora, só existia o vazio e o mais que justificado descontrole emocional que ele causa, sobretudo quando esse vazio é deixado pela ausência de uma criança.

– Palhacinho, me dá um abraço! 

Houve outro silêncio, desconcertante. De repente, diante dessa solicitação concreta, extraída com inacreditável força e nitidez daquele turbilhão de dor, o vazio foi momentaneamente rompido. Com um gesto simples e sincero nosso abraço foi dado, partilhado com aquela avó. Não falamos nada. Nada de que lembramos, pelo menos. Só ouvimos.

– Obrigado, palhacinho.

E depois voltaram os prantos, o turbilhão de dor e, se a vida seguir seu fluxo, o começo do luto.



Categorias


Lá do arquivo

Nereu Afonso


Postado em:

Histórias de hospital

Tags

abraço, fluxo da vida, luto, pranto

82
Deixe um comentário

avatar
0 Comentar tópicos
0 Respostas do Tópico
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais quente
0 Autores de comentários
Autores recentes de comentários
  Receber notificação  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Notificação de
Francis
Visitante
Francis
Visitante

O mais importante é nós sabermos a importância e o sentido de nossa missão. Graças a Deus e a vocês centenas de crianças esquecem um pouco da sua dor terrena e se alimentam um pouco do alimento cada vez mais escasso no nosso planeta, o Amor. Que suas vidas seja repleta de felicidade, e quando faltar um pouco do ritmo ou forças para enfrentar a dor que saber de um fato infelizmente inevitável como esse, lembra-se da importância que vocês tem de alimentar esses anjos para sua jornada terrena ou não… Fé e tudo de melhor.

Iva
Visitante
Iva
Visitante

Um abraço nessa situação faz muita diferença. Dá forças para o que vem a seguir. Obrigada, em nome de todos que sofrem, pelo trabalho de vocês.

Fabiana Cristina de Moraes Rainha
Visitante
Fabiana Cristina de Moraes Rainha
Visitante

Olá boa noite,sou fã do trabalho de vcs,morro de vontade de participar mas sou uma manteiga derretida,então acho que não sairia muito bem rs. Amo circo mas não posso entrar em um que qdo imagino o palhaço já quase morro de tanto rir,com esse pequeno gesto gostaria de agradecer,por todas as crianças e suas famílias que por algum momento se sentem livres da doença,meu muito obrigado a vcs e continuem esse trabalho maravilhoso e abençoado.

Acacia
Visitante
Acacia
Visitante

Parabéns pelo trabalho de amor e de generosidade!!

Cristina Oliveira
Visitante
Cristina Oliveira
Visitante

Não sei se poderia ser uma Doutora da Alegria, acho que sairia sem maquiagem todos os dias, sou muito chorona e me emociono fácil. Mas é um trabalho tão lindo, tão grandioso, gostaria de poder ter esse privilégio de ajudar a dar um pouco de conforto e alegria as crianças que se encontram hospitalizadas…

Parabéns Doutores…vcs são anjos que iluminam e alegram os dias desses pequeninos anjos…

Meu respeito e carinho…

Existem 82 Comentários.