Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

O segredo dos brinquedos e das brincadeiras

20 de março de 2013
Tempo de leitura: 1 minutos

Doutores da Alegria

Comentario 2
Compartilhar 0

A pequena D. entrou na sala da quimioterapia. Passos firmes, cabeça baixa e chorando. Não era choro de mentira, era choro bem chorado, com soluço e tudo. Ela trazia na mãozinha uma folha com uma máscara inca que havia apenas começado a pintar.

O momento mereceu atenção! Então eu, Dra Greta Garboreta, me adiantei:

– D., conta pra mim! O que aconteceu?

– A minha mãe não deixou eu trazer o giz de cera! – mostrou, indignada, o pálido desenho.

– Ela não deixou? – repeti, mostrando minha indignação.

– Não! 

– E ela não disse por quê?

– Não! 

– Então vem cá que eu vou te contar o motivo…

A essa altura as lágrimas e soluços já haviam cessado. O Dr. Mané Pereira, que conhece bem o segredo dos brinquedos e brincadeiras, permaneceu atento ao nosso lado, na expectativa de ver se eu iria dizer mesmo a verdade.

– Sabe o que é. D.? É que teve um tempo em que o pessoal deixava os gizes de cera entrarem aqui, só que eles faziam muita bagunça: eles riscavam o chão, as paredes, as janelas, as portas… Nossa! Eles eram terríveis! Os mais malcriados riscavam até o teto! As enfermeiras davam um duro danado para escrever tudo direitinho nas suas pastinhas e eles iam lá e rabiscavam tudo, coitadas! Eles não obedeciam ninguém! E não adiantava mandar eles se comportarem. O vermelho era o pior deles! Ah, e continuando… Você estava aqui quando fizeram a reforma nesse hospital? Você se lembra dela?

– Lembro! 

– Então, foi uma grande reforma, não foi?

– Foi. 

– Pois é! Foi por causa dos gizes de cera! É por isso que eles não podem mais entrar aqui! Bagunça agora, só lá fora na Brinquedoteca, né, gente? – e me virei para todos que escutavam atentamente a nossa conversa.

– Éééééé!

Depois disso chegou a vez da D. de ser atendida. Ela sentou-se na cadeira para receber sua medicação e não disse uma palavra, apenas continuava a me olhar atenta. Então me despedi dela e para me certificar de que ela havia entendido tudo que lhe havia dito, fiz uma última pergunta:

– D., você me ajuda a controlar essa bagunça?

E fazendo um sinal com a mãozinha espalmada, ela disse: Deixa comigo!

Bom, uma coisa eu aprendi nesse dia: Sempre, e sob qualquer circunstância, é preciso dizer a VERDADE!

Dra Greta Garboreta (Sueli Andrade)
Dr. Mané Pereira (Márcio Douglas)
Instituto de Tratamento do Câncer Infantil – São Paulo
fevereiro de 2013



Categorias


Lá do arquivo

Doutores da Alegria


Postado em:

Tags

brincadeiras, brinquedos, choro, quimioterapia, verdade

2
Deixe um comentário

avatar
0 Comentar tópicos
0 Respostas do Tópico
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais quente
0 Autores de comentários
Autores recentes de comentários
  Receber notificação  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Notificação de
Thais Aparecida Plucinski
Visitante
Thais Aparecida Plucinski
Visitante

Foi uma das coisas mais lindas que já ouvi na minha vida!!

jenifer silva almeida
Visitante
jenifer silva almeida
Visitante

Eu adoro! Faz as pessoas felizes!

Existem 2 Comentários.