. O pequeno grande maestro do carnaval – Doutores da Alegria

Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Institucional

O pequeno grande maestro do carnaval

22 de abril de 2022
Tempo de leitura: 2 minutos

Juliana de Almeida

Atriz e palhaça. Atua como Dra. Baju na Doutores da Alegria, em Recife, desde 2010.

Comentario 0
Compartilhar 0

 

Num lugar bastante inusitado, mas totalmente possível, havia um maestro. Este lugar? O corredor de um hospital. E o que fazia o maestro neste lugar? Maestrias, ora essa! A ocasião? Bem, era um dia de trabalho qualquer, mas não tão qualquer assim. Explico: era apenas um dia de trabalho, só que a gente deu uma incrementada para homenagear o carnaval, uma festa que adoramos, mas que o momento ainda não permite. Então, nesse dia, levamos um pouco do gostinho das marchinhas e do frevo que estão no nosso DNA, essencialmente aqui no povo da nossa terra quente chamada Recife.

Desde o começo da pandemia não fazemos o carnaval do nosso jeito, levando o elenco inteiro com o Bloco do Miolinho Mole. Mas fomos em três: uma palhaça e dois palhaços – já estava de bom tamanho. Assim, seguimos nesta formação: Dr. Dud Grud segurando a percussão, eu (Dra. Baju), levando a harmonia no violão, e Dr. Wago sustentando o frevo no pé, ou melhor, nos dedinhos, para ficar tudo pequenininho. Cada encontro fazia desenrolar suas próprias histórias, os nossos atendimentos rotineiros aconteciam, mas no final, tudo acabava no frevinho-dedinho, tudo bem miudinho.

Muito bem caracterizados, seguíamos pelas enfermarias. Eu homenageava o Bloco Vassourinhas, Dud Grud era O Homem da Meia-Noite e Dr. Wago coroou-se como o Rei do Maracatu. Dessa forma, a gente ia encontrando cada criança, família e profissionais do hospital. Acontece que nós não sabíamos o que nos aguardava, afinal, cada encontro é como abrir uma caixa-surpresa. No quinto andar do Hospital Universitário Oswaldo Cruz, fomos surpreendidos pela aparição de um elemento fundamental para qualquer orquestra, por menor que ela seja: o maestro.

Ah, mas não era qualquer maestro, não mesmo! Arrisco afirmar que quem o viu jamais verá outro igual! A primeira (e talvez mais importante) característica dele é que ele é muito grande. Atenção! Eu não estou falando de altura, não é no sentido de comprimento, estou falando do tamanho de dentro, coisa que não pode ser vista nem tocada, mas que é totalmente possível sentir: o espírito.

Sim, esse nosso maestro era tão grande que o seu tamanho não cabia num corpinho de dois anos e meio de idade. O vigor, o desejo, a inocência, a graça, a vibração, o encantamento, tudo isso extrapolava pelos olhos, mãos, gestos e gritos do nosso apaixonante regente.

Indiscutivelmente, um pequeno grande maestro! Imagine a cena: era ele para três palhaços e uma plateia que se formava pelo corredor, completamente encantada com aquele momento.

Por sua vez, Toinho estava intensamente atraído por nós, três figuras “palhacescas” com os seus instrumentos, e nós hipnotizados. Ele era um acontecimento pra todes nós. Olhe, Toinho se apropriou das baquetas de Dr. Dud Grud e, enérgico como um maestro (lógico!), expressava com todo o seu corpo o que deveríamos fazer: cantar e tocar. Quando começávamos a música, nós perdíamos o maestro e ganhávamos um folião. Toinho dançava, pulava e seguia todos os passos da música, tomado por um motor de emoção impressionante e comovente. Contudo, ai de nós se a música acabasse. Ele, tal qual um maestro, retomava o seu posto e ordenava a próxima.

Junto com o nosso grandioso e pequenino maestro, levamos a música pelo corredor até chegarmos em outra enfermaria. Foi a hora de nos despedirmos do nosso condutor, coisa não tão fácil para nenhuma das partes, diga-se de passagem. Toinho se apressou em tentar impedir a nossa ida. Quase chorando, o nosso pequeno maestro pedia para não irmos embora. Como é que se faz nessas horas, gente? Não sabemos, só sei que o dever nos chamava de um lado e, do outro, o coração fica apertado. A carinha que Toinho fazia ganhava fácil de qualquer cachorrinho em porta de churrascaria.

O encontro com Toinho foi um chamado para o presente, um chamado para se entregar e realizar o que se deseja, sem adiar. O tempo de Toinho era para já, assim como a vida é.



Categorias


Lá do arquivo

Juliana de Almeida

Atriz e palhaça. Atua como Dra. Baju na Doutores da Alegria, em Recife, desde 2010.


Postado em:

Histórias de hospital

Tags

carnaval, Dr. Dud Grud, Dr. Wago Ninguém, Dra. Baju, histórias de hospital, Hospital Universitário Oswaldo Cruz, maestro, relatórios de hospital

Deixe um comentário

avatar
  Receber notificação  
Notificação de
Existe 0 Comentário.