Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Histórias de mãe VIII

11 de maio de 2015
Tempo de leitura: 5 minutos

Doutores da Alegria

Comentario 0
Compartilhar 0

Dezenas de mães compartilharam conosco histórias vividas com seus filhos e filhas nos hospitais Brasil afora. Histórias reais, tocantes, sensíveis, inspiradoras. A vida como ela é. Agradecemos pela coragem!  

+ veja aqui as primeiras histórias

Janaina Maestri e Sofia

Sofia
A Sofia nasceu antes do tempo. Eu e o pai dela almoçávamos quando começaram umas dores estranhas, mas voltei ao trabalho. Em menos de uma hora as pernas travavam, dores, fui para o hospital, e fiquei um dia inteiro sob supervisão, exames.

A Sofia queria vir ao mundo! E nasceu de oito meses! Eu a vi chorando e, de repente, cadê minha bebê? Nasceu com pulmão forte, nasceu bem! Mas nossa filha foi para UTI devido a uma infecção generalizada. Foram dias de luta, e na madrugada de seu nascimento, o pai dela teve cólica renal. Resultado: papai internado em um hospital, mamãe em outro e Sofia sendo cuidada na UTI. 

Logo depois da minha alta, eu tive que me tornar a Super Mãe! Em meio àquele caos, encontrei pessoas com histórias lindas de superação, mães que estavam há meses praticamente morando dentro do hospital. Eu não me preparei para o que aconteceu… Mas quem se prepara, né? Saí do hospital, após minha alta, chorando, porque eu queria sair ela em meus braços. As visitas chegavam e eu só pensava nela, e me vi sozinha por algumas vezes, enfrentando meus próprios medos, entrando na UTI com as dores de uma cirurgia, com a dor de uma agora mãe que sofre por um filho, que trocaria de lugar!

Enfim, foram nove dias indo ao hospital, e a cada dia algo novo. No quinto dia de vida, a Sofia já se esforçava para levantar a cabeça, tinha força de viver… No nono dia, eu estava no consultório médico e recebi uma ligação. “Sofia está livre da UTI!”. Foi uma correria! E foi meu primeiro dia com ela… Nunca tinha trocado uma fralda e a enfermeira me ensinou; a partir dali comecei os cuidados sozinha! E foi no décimo segundo dia que saímos do hospital. Foi emocionante!

Aproveito esse espaço para dizer a todas as futuras mamães que a gente deve se preparar para um pouco de cada coisa, sempre pensar positivo, mas saber que o sofrimento pode surgir, mas que ele passa, que o maior segredo de todos é a paciência acompanhada do amor. Não foi fácil, e ser mãe não é fácil, a gente sofre junto, a gente se alegra junto, mas que vale muito a pena se dedicar, pois um filho sente e sabe o quanto a gente se dedica a ele(a). Eu vejo minha filha sendo grata por todo meu esforço até hoje, com apenas três anos de idade. Ela me diz todos os dias, eu disse todos, que ela me ama!

Não tem alegria maior na minha vida que nossa filha. Grata, Deus e marido, pela filha maravilhosa que temos!

Anna Celina e Inho

Me chamo Ana Celina. Tenho 43 anos e meu filho fará 26 em setembro. Aos 17 anos me descobri grávida. 17 anos, nem tinha deixado a adolescência direito e já me tornara mãe… E ainda mais mãe de um bebê prematuro.

Meu filho chegou dois meses antes da data prevista, pesava 2.2 kg e media 44 cm. Tinha os pulmões ainda em formação e nasceu roxinho como uma jabuticaba, com dificuldades imensas para respirar. Eu tive pré-eclâmpsia e só pude conhecer meu filho 24 horas depois que ele havia nascido. Foram as piores 24 horas de minha vida, não sabia o que pensar e nem tampouco como me “portar” diante de meu filho.

Mas ao chegar ao berçário e ver aquele serzinho miúdo e que estava ali e precisava de mim, de imediato me transformei na mãe que sempre sonhei ser… Meu filho ficou internado na incubadora respirando artificialmente oito dias e eu não arredei o pé de lá, passava os dias conversando, contando histórias e cantando pro meu pequeno. As enfermeiras e a pediatra me incentivavam a dizer a ele o quanto ele era importante pra mim, e às vezes eu chegava e ele estava choramingando e, ao ouvir minha voz, parava. Ao voltar pra casa, que teve que ser preparada pra chegada dele, passamos mais dois meses sem sair e aos poucos meu pequeno foi ganhando corpo. Com um ano ninguém dizia que ele nascera tão mirradinho…

Talvez nem seja uma história de tanta superação, mas é uma história de muito amor.

Anna Celina e Inho

Hoje meu filho é jornalista, assessor de comunicação e designer gráfico. É um ótimo filho, de muito bom caráter e responsável, um filho do qual me orgulho e amo com todas as forças do meu coração. Não pude ter outros filhos, mas ele me realizou como mãe. Sou atriz, contadora de histórias e intérprete da palhaça Axila há 15 anos.

Luana Dondé Strada e seu pequeno grande homem

Meu nome é Luana, tenho 31 anos e sou mãe do Luiz Otavio, de três anos. Sou enfermeira, atuei em Saúde pública, hospital, SAMU e atualmente em docência. Sempre ajudei o próximo, não somente pela arte do cuidar, e sim por sempre pensar como eu gostaria que os outros cuidassem de mim, da minha família.

Luana

Em 2011 engravidei e, por ser enfermeira, imaginei uma gestação tranquila, tudo planejado, tudo organizado. Tive diabete gestacional e pré-eclâmpsia, mas meu filho amado nasceu com 34 semanas. Lembro como se fosse hoje a noite do dia 15 de novembro de 2011 – uma noite fria, tranquila, porém estranha, eu me sentia estranha, não sei explicar mas escrevendo aqui, posso sentir tudo o que senti aquela noite. Acordei no domingo, 16, mais estranha ainda… Algo de diferente iria acontecer. Liguei para minha ginecologista e fui até o hospital, a 15 km da cidade onde eu morava. Estava de 34 semanas e com 4 centímetro de dilatação. Ela me falou: “Ele não pode nascer.

Permaneci no hospital em observação constante, e às 16 horas a bolsa rompeu. Entrei em desespero total! Os profissionais da enfermagem correndo, chamando minha médica, chamando o pediatra e acionando o centro cirúrgico, e em questão de minutos estava eu no centro cirúrgico. E meu filho nasceu, nasceu bem, super bem, mas minutos depois começou a sofrer para respirar, e eu o vi todo roxinho. Ouvi o pediatra solicitando a UTI Neonatal.

Entrei em desespero pela segunda vez, e o pediatra explicou que seriam somente algumas horas para observação, mas essas horas transformaram-se em 14 longos dias de sofrimento, choro, angústia, medo, insegurança… E o pior de tudo é você ser enfermeira e saber tudo o que estava acontecendo, reconhecer os altos e baixos, e saber onde tudo aquilo poderia parar, ver meu filho entubado, respirando 100% com ajuda de respirador. Eu não queria acreditar que estava passando por isso.

O mais importante de tudo, durante todo esse tempo que não passava nunca, foi incentivar meu filho a respirar, a viver, a lutar pela vida, e a cada visita na UTI, por pior que eu estivesse, eu nunca derramei uma lágrima perto dele, afinal sei que passamos o que sentimos para eles, e por isso mantive-me forte para ele ser forte também.

No 12º dia meu filho saiu do tubo, e dali para frente foi um sucesso, superamos todas as dificuldades, e aprendemos junto que as dificuldades aparecem para nos deixar mais fortalecidos e unidos um com o outro. Hoje ele é o meu pequeno grande homem (é como o chamo) e continua sendo corajoso, igualzinho como ensinei a ele desde o seu primeiro dia de vida.

Feliz Dia das Mães! <3

+ Você sabia?

Doutores da Alegria atua em hospitais públicos há 23 anos e precisa de doações para manter seu trabalho junto a crianças hospitalizadas, seus familiares e profissionais de saúde. Faça parte desta causa, doe aqui: www.doutoresdaalegria.org.br/colabore.



Categorias


Lá do arquivo

Doutores da Alegria


Postado em:

Tags

Dia das Mães, histórias, ser mãe, superação

Deixe um comentário

avatar
  Receber notificação  
Notificação de
Existe 0 Comentário.