Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Cem coisas de que sinto saudade

16 de setembro de 2020
Tempo de leitura: 3 minutos

Monique Franco

Comentario 0
Compartilhar 0

Quarentena já chegou a centena. Já são mais de uma centena de dias em que estou aqui.

Meu pequeno lar virou tudo e é no meio de tudo que a sala vira palco, o banheiro camarim, a cozinha é coxia, a mesa de almoço divide espaço com as reuniões, meus parceiros viraram tela e estar em cena virou gravação.

No meio de tudo, sou tudo ao mesmo tempo. Acorda, toma café, se maquia de palhaça, grava, faz almoço, pausa para aula da minha filha (ainda estou maquiada, nem apareço no vídeo), grava, pausa para dar aula para os aluninhos (lembro que estou maquiada e corro pra tirar), edita, reedita, salva, fim de noite, louça suja na pia, casa de pernas pro ar…

A casa foi casa, foi escolinha, foi estúdio, foi sala de aula. A casa vai sustentando e tentando comportar as centenas de lugares que frequentávamos lá fora. E a gente vai tentando comportar tudo o que éramos lá fora e um pouco mais.

Mas não há espaço em mim que comporte a saudade. Essa centena de saudades que carrego aqui:

1. Do hospital
2. Das crianças
3. Enfermeiras
4. Parceiros
5. De pegar trânsito
6. Do metrô lotado até o hospital
7. De maquiar conversando com o outro palhaço sobre as coisas da vida
8. Bater a cara na porta
9. A risada das crianças
10. De jogar conversa fora no café de repouso dos médicos
11. De cantar pelos corredores do hospital
12. Dançar com as enfermeiras
13. Ver os bebezinhos que nasceram
14. A boa notícia da alta médica
15. Perguntar se eu posso entrar
16. De brincar na brinquedoteca
17. De me esconder no armário
18. Fingir que sou porta soro
19. Cantar baixinho para o bebê não acordar
20. Cantar alto e piscar a luz pra fazer balada
21. De dar conselhos aos residentes
22. De cantar mil vezes a mesma música porque é essa que a criança gosta
23. De me transformar em super-heroína
24. De me confundir com uma pessoa da família da criança
25. Fazer carnaval
26. Fazer São João
27. Do Itaci e da bagunça na sala dos médicos
28. Do HU e do Dr. Gabriel e da Fernanda e de andar nos carrinhos da brinquedoteca
29. Do ICr e das lembranças de andar com meu barrigão de grávida lá

30. De todos os hospitais que fiz morada e os que visitei
31. Do Campo Limpo
32. Do Mandaqui
33. Do Santa Marcelina
34. Do M`Boi Mirim
35. Do Grajaú
36. Do Dr. Chicô, meu querido de parceiro que cresci junto
37. Da Dra. Manela e sua energia que transborda
38. De conversar em roda nas sextas-feiras
39. Almoçar com os parceiros.
40. Da Dra. Guadalupe, minha parceira que pensa as piadas iguais e quase ao mesmo tempo
41. De sair cansada de um dia de hospital
42. Da Dra. Juca Pinduca e sua sanfona
43. Das longas conversas do Dr. Zequim
45. De tomar o café da Cida na Doutores
46. Encontrar a Juliana e o Renato
47. Ensaiar o Conta Causos e chorar toda vez
49. Sentir saudade do Dr. Dus’Cuais
50. De conversar com a Marcella entre um intervalo e outro de um Riso 9000
51. Do Dr. Dederson e seu cavaquinho
52. Do Dr. Cavaco e seu cavaco
53. De viajar para fazer Riso
54. Do teatro cheio pra apresentar o Conta Causos
55. Do Dr. Dadúvida com seu olhar que melhora o nosso causo
56. Do Dr. Pinheiro e sua habilidade em jogar as coisas no ar
57. Dos amigos de outros países do Itaci
58. Da pausa para um café cheios de causos das enfermeiras
59. Do Dr. Pistolinha e sua alegria besta de menino
60. De tocar pandeiro e ver a criança dançar no leito
61. Da Dra. Pororoca e seu jeito de puxar conversa com todos
62. Das reuniões de coisas sérias com a equipe do Doutores
63. Da Dra. Lola por tudo e porque é gostoso demais estar com ela
64. Pular e subir feito uma acrobata nas costas do Dr. Charlito
65. Puxar mais mesas e cadeiras para caber todos nós na hora do almoço de sexta
66. Do Dr. Mané e aquela palavra errada na hora certa
67. Ganhar desenhos das crianças
68. Ter uma foto no quarto da criança pra ela não esquecer da gente
69. Do Dr. Sandoval e seus cabelos que mudam e se mudam
70. Da Dra. Greta e sua bagaceira que casa com a minha
71. Do gigante e doce Dr. Valdisney
72. Daquela criança que não gosta da gente, mas não deixa a gente ir embora
73. Do Dr. Trillo e sua companhia no Itaci
74. Do Dr. Fritz que é o novo galã dos hospitais
75. De me confundirem com a Dra. Faísca
76. Do carinhosa e forte Dra. Bolot’s
77. Ter notícias das crianças que já receberam alta
78. Encontrar os Vingadores pelos corredores do Itaci
79. Do Dr. Gabriel, da Mari, da Glauce, do Thiago, da Fernanda…
80. Dos abraços que ganhava
81. Dos abraços que ganhava
82. Dos abraços que dava
83. Dos abraços que dava
84. Enganar o Dr. Mendonça
85. As bobagens da Dra. Pamplona
85. As loucuras do Dr. Chabilson
86. Explicar toda vez para a dona Elza que eu só tenho uma filha, que quem tem dois é a Guadalupe
87. Bisbilhotar a aula do FPJ
88. Encontrar os alunos e o Heraldo nos corredores
89. Dos encontros que nos emocionavam com os parceiros
90. Dos encontros que nos emocionavam com as crianças
91. Sentir as emoções dos encontros
92. Sentir até mesmo a emoção das despedidas
93. De ser presença nos hospitais
94. Do hospital ser a presença dos meus dias
95. Ser o respiro bobo nas situações difíceis do hospital
96. Hospital ser o respiro bobo que mudava meus dias
97. Daquele olhar da criança quando a gente se conhece pela primeira vez
98. Daquele olhar da criança que está indo pra casa e não vai mais te ver
99. Daquele choro preso na garganta quando a gente sabe que não vai mais ver ela mesmo estando feliz
100. Da criança que ri, que canta e conversa, daquela presença que toca, que abraça, que tem cheiro, cor, textura…

Essa centena que não se comporta dentro de mim e que fica ecoando sempre a mesma pergunta: Será que tem alguém ali atrás da tela que preencha tanta saudade?



Categorias


Lá do arquivo

Deixe um comentário

avatar
  Receber notificação  
Notificação de
Existe 0 Comentário.