Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Os Doutores da Alegria e a escala espontânea

8 de Fevereiro de 2011
Tempo de leitura: 1 minutos

Doutores da Alegria

Comentario 0
Compartilhar 0

por Wellington Nogueira

À medida que uma organização social cresce, ela tem a oportunidade de criar novos modelos para o seu desenvolvimento, baseado em sua essência e valores. Modelos vigentes podem ser adaptados? Claro, mas com cuidado e bom senso. Ou então pode-se tentar criar algo novo, e quando falamos nisso, envolvemos também o risco; pode dar certo ou não. Se for possível calcular o risco, acredito que ele deve ser corrido.

Foi assim com nossa expansão. Os apelos de crescimento para outras cidades e estados eram lisonjeiros,  mas aprendemos que nosso processo é artesanal e demanda tempo e recursos. Enquanto tentávamos encontrar um caminho, outros programas semelhantes iam aparecendo – por motivação própria ou cansaço de esperar um posicionamento nosso – e, em seguida, muitos batiam à nossa porta para pedir orientações.

Olhando a situação pelo ponto de vista de um palhaço, como equacionar esses fatos e gerar alegria para todos os envolvidos?

Primeiro, fomos pesquisar para saber quantos  grupos semelhantes apareceram, e encontramos, em 2002, mais de cem iniciativas semelhantes. Reunimos tantos quantos pudemos em nosso galpinho num fim de semana e perguntamos: o que querem de nós? Ao ver os semelhantes, vimos diferenças, erros e acertos, mas vimos e  ouvimos muita gente comprometida, querendo fazer mais e melhor.

Não eram concorrentes de mercado, mas colegas construtores de um mercado. Foi assim que decidimos crescer para baixo, em profundidade, para extrair do pré-sal besteirológico mais conhecimento acerca da alegria e seus efeitos colaterais no hospital.

Prescrição tomada: aprofundamos, disseminamos o conhecimento, passamos a ser escola e hoje, junto com todos esses novos amigos, formamos uma rede de palhaços com base na ética e na qualidade do trabalho nos hospitais. Conhecemos mais diversidade, aprendemos mais possibilidades e hoje, somos quase quinhentos.

Chamo esse fenômeno de escala espontânea, pois, mesmo que tivéssemos recursos ilimitados e perenes nos últimos vinte anos, nunca teríamos aberto 500 unidades. E elas aconteceram, mesmo assim. Então, mais do que separar e concorrer para ver quem é melhor, investimos em por o conhecimento na roda para todo mundo se divertir: nós, os colegas e, principalmente, o público atendido. Indiretamente, mais de 100 hospitais foram tocados. O palhaço pergunta: Isso é negócio?

* fotos do primeiro encontro nacional de palhaços que atuam em hospitais, promovido pelos Doutores da Alegria como parte do programa Palhaços em Rede.


Dizem por aí


Categorias


Lá do arquivo

Doutores da Alegria


Postado em:

Doutores da Alegria

Tags

Deixe um comentário

avatar
  Receber notificação  
Notificação de
Existe 0 Comentário.