Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

A mãe nº 2

28 de outubro de 2011
Tempo de leitura: 2 minutos

Doutores da Alegria

Comentario 0
Compartilhar 0

Quando a gente pensa que já encontrou de um tudo no hospital, eis que surge uma nova patologia besteirológica: a síndrome da asa de xícara.

O único paciente a apresentar os sintomas característicos da síndrome foi o G. Uma figurinha que logo no primeiro encontro já mostrou que ia laçar nossos corações. Lembro-me como se fosse hoje. Estávamos eu – Dra. Suca – e o Dr. Marciano andando pelos corredores do Hospital da Restauração quando ele surgiu no quarto, seguido de sua mãe. O menino, do alto dos seus 4 anos,  nos fitou, flexionou os braços, apertou as mãos e as repousou sobre a cintura e falou:

Vem pro meu quarto!

Não tivemos como negar e marchamos até ele. Ao redor da sua cama estavam vários parentes seus e o G., ainda em pose de asa de xícara, falava articulado apresentando a família.

Fomos logo dando a notícia da síndrome da asa de xícara e a mãe, de tão perplexa, se desatava a sorrir. Esse foi nosso primeiro encontro. Os encontros seguintes foram sempre guiados pelo G. Com o passar do tempo fomos curando a síndrome da asa de xícara e o Guga parecia melhor, apesar de ainda ter tremeliques nervosos freqüentes. Contudo, o menino foi ficando “zen” demais e passava muito tempo deitado, dormindo. Quando chegávamos para atendê-lo, sua mãe não o acordava. Quando o G. teve a notícia que tínhamos passado por lá e não tínhamos o atendido, chorava em alto e bom som. A partir de então, sua mãe passou a acordá-lo quando chegávamos.

Foi aí que descobrimos mais uma síndrome besteirológica: a facilidade para a hipnose. Toda vez que a sua mãe o acordava, ele levantava o tronco, sentava na cama de boca aberta e ficava nos olhando com os olhos meio cerrados. Eu pegava minha coxinha de galinha (sou uma médica prevenida!) e o hipnotizava. Foi numa dessas que perguntei se ele queria ser meu filho.

Sim!, ele respondeu.

Tentei logo uma negociação com a mãe, que, em troca, me pediu a coxinha de galinha. Já estava tudo acertado: quando ele recebesse alta de outra médica (infelizmente eu só dou baixa, devido a minha estatura…), a troca seria feita. E daí em diante o G. já me entendia como mãe, a “mãe nº 2”. E eu já o chamava de “filho”.

Quando passávamos no corredor, a sua mãe nº 1 gritava:

Eita! Chegou a tua mãe nº 2!

E o G. acordava daquele jeitinho, pronto para a hipnose. O tempo foi passando e a nossa família ia muito feliz. Sempre saíamos deixando o recado:

A gente vai, mas a gente volta! – e isso acalmava o coração aflito do meu “filhote”.

Até que um dia o seu pai veio lhe fazer uma visita. Sem saber direito quem era, me deparei com o pai do G., super risonho, que tinha vindo buscar a família.

Aceitei o consolo do Dr. Marciano e deixei o G. partir com a sua mãe nº 1 e seu pai. Ainda sinto muitas saudades da minha família, mas enquanto isso, venho tentando ocupar a cabeça com outra coisa: arremesso de catotas! Dizem que faz bem praticar esporte. Corpo são, mente sã! 

Hospital da Restauração
setembro de 2011
Dra. Suca  (Suenne Sotero)
Dr. Marciano (Márcio Carneiro)

 


Dizem por aí


Categorias


Lá do arquivo

Doutores da Alegria


Postado em:

Doutores da Alegria Recife, PE - Hospital da Restauração

Tags

Deixe um comentário

avatar
  Receber notificação  
Notificação de
Existe 0 Comentário.